O Linho hoje.

Hoje, por força da modernidade, o linho perdeu muito espaço. Por ser de baixo grau de resiliência (ou seja: amassa muito) a turma prefere não usar. Mas o que não se divulga é que este é o melhor tecido pra se ter em contato com a pele, o mais ecológico no plantio e no processo. E que é chic demais, sobretudo se usado amassado! Ele está sempre presente nas coleções de verão dos mais renomados estilistas. 

São várias as espécies de linho existentes e dentre elas as destinadas ao plantio das fibras de tecidos são especialmente selecionadas. Diz se que as melhores sementes são as holandesas. A França e a Bélgica detêm a melhor tecnologia de plantio e processamento do linho gerando um material de alta qualidade. 

 
 

Seu plantio exige muito cuidado com o preparo da terra, é necessário colher o linho à mão; os talos são amarrados com cuidado e empilhados em campos abertos. Depois penteados para a retirada das flores e sementes. A fibra que usamos para tecer mora entre o graveto interno e a casca. Para sua extração é preciso um processo de maceração, que consiste em colocar os feixes da planta colhida na água até que a casca esteja mole o suficiente. Depois é retirado o caule interno sobrando apenas as fibras que serão fiadas e tecidas. Conta-se que na Irlanda este processo é feito até hoje batendo com a planta nas costas de uma cadeira. 

Links com mais informações sobre o Linho:

Desfilando no Verão Rio 2015
Produção manual
Produção industrial

Escrito por: Lu Bueno e Carolina Moraes